quarta-feira, 21 de novembro de 2007

Ser Meu, Ser Eu


Parada ali
Prostrada diante daquilo
Que se dizia ser meu
Ser eu
Somente um som eu ouvia
O da solidão
Do vazio que dentro de mim se fazia
Barulho ensurdecedor
Mas que ninguém ouvia
Apenas eu
Trancada em lembranças
Que ninguém sabia
Mas que eu não esquecia
E nesse não acreditar
No não reconhecer do que seria ser meu
Ser eu
Você era o que me restaria
Mas de mim se perdeu
Ou se escondeu
Só eu não percebia
E agora nessa estranha que sou eu
Reconheço o vazio que sempre me pertenceu
E me lembro que esta sou eu...

giovαnα mendhes .¸.•*ੴ

2 comentários:

rascunhomusical disse...

Borboletas azuis vagueiam pelas florestas úmidas e encantam pela paz que trasmitem e por sua beleza. Ontem eu as vi, e hoje encontro outra aqui. Essa não voa mas faz de certa forma voar, aquele que absorve a atmosfera contida em suas palavras.

butterfly.¸.•*ੴ disse...

Rascunho Musical, ñ tenho como te agradecer no seu blog...rsss
Então faço isso por aqui mesmo, mto obrigada pelas lindas palavras...
Seja sempre mto bem vindo ao meu jardim....
bjos de borboleta.¸.•*ੴ