quarta-feira, 18 de junho de 2008

Borboleta Inanimada

(dueto Karla Bardanza e giovana mendhes)
Um luar no chão
Uma mão sem flor
Um amor sem canção
Uma borboleta sem cor

Um boca sem beijo
Uma mulher em conflito
Uma paixão sem desejo
Um amordaçado grito

Um medo no olhar
Um mar sem água
Uma dor de amar
Uma profunda mágoa

Um peito em sangue
Uma eterna madrugada
Um mulher cinza
como a madrugada

Um verso
Que mesmo quando sangra
Não se cala
E o seu choro embala

Um misto
Que dela às vezes toma conta
Transmutando em palavras
Amores e dores

Um sol desbotado
Que desaponta
Não aquece
E que dela sempre esquece

Ainda que ela grite
Dela esse lamento não sai
Sempre existe
Então... Ela desiste

Borboleta inanimada
Que da vida se escondeu
E em seu mundo sem cor
Se fechou!

Karla Bardanza e giovana mendhes
.¸.•*ੴ

Um comentário:

Luís Nunes disse...

Fantástico poema, parabéns às duas.